Quarta, 24 de Julho de 2024
18°

Neblina

Rio de Janeiro, RJ

Justiça Naturalizando crime

Pai de João Pedro critica absolvição de policiais: "Racismo e preconceito"

Ele alega racismo e preconceito na decisão e afirma que vai recorrer.

10/07/2024 às 16h52 Atualizada em 10/07/2024 às 21h24
Por: Elise Ventura
Compartilhe:
Reprodução da internet
Reprodução da internet

Neilton da Costa Pinto, pai do adolescente João Pedro, morto durante uma operação policial em São Gonçalo em 2020, critica a decisão da Justiça de absolver os três policiais acusados do crime. Ele alega racismo e preconceito na decisão e afirma que vai recorrer.

Absolvição e Legítima Defesa:

Na última quarta-feira (10), a juíza Juliana Bessa Ferraz Krykhtine absolveu os policiais Mauro José Gonçalves, Maxwell Gomes Pereira e Fernando de Brito Meister. A magistrada alegou legítima defesa e afirmou que os agentes "agiram sob um excludente de ilicitude".

Inconsistências e Falta de Respeito:

Continua após a publicidade

Neilton questiona a versão da legítima defesa e afirma que não há provas que sustentem essa narrativa. Ele também critica o comportamento da juíza durante as audiências, alegando falta de respeito com a família.

Decisão Questionável e Recorrência:

A Defensoria Pública do Estado do Rio de Janeiro vai recorrer da decisão. O órgão argumenta que a sentença "não observou a robusta prova técnica e testemunhal produzida no processo" e que a juíza "afastou a prova técnica produzida por peritos externos".

Detalhes do Crime e Busca por Justiça:

Continua após a publicidade

João Pedro tinha 14 anos quando foi morto em casa durante uma operação policial. A família e testemunhas afirmam que os policiais chegaram atirando e que a cena do crime foi alterada. O Ministério Público concluiu que o tiro que matou João Pedro partiu da arma de um dos policiais.

Neilton cobra justiça pelo crime e acredita que os policiais devem ser punidos. Ele afirma: "Não pode ser normal um agente público entrar dentro de uma casa e matar um jovem assim. Vamos recorrer. Esse jogo tem que virar".

O caso ainda está em andamento e a família de João Pedro espera que os responsáveis pelo crime sejam punidos.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários