Quarta, 24 de Julho de 2024
18°

Neblina

Rio de Janeiro, RJ

Polícia Monitoramento

Drones com granadas: tecnologia sofisticada a serviço do crime nas favelas do Rio

Equipamentos com autonomia de voo de até 15 km e alta tecnologia são utilizados por facções rivais para lançar granadas e monitorar comunidades.

09/07/2024 às 10h02 Atualizada em 09/07/2024 às 10h07
Por: Elise Ventura
Compartilhe:
Reprodução da internet
Reprodução da internet

Drones, antes utilizados apenas para lazer ou fins profissionais, agora estão sendo usados por facções criminosas do Rio de Janeiro para lançar granadas e monitorar comunidades. Um modelo encontrado no Complexo do Quitungo, dominado pelo Comando Vermelho (CV), é da marca DJI, empresa chinesa líder na fabricação de drones no mundo.

Detalhes do Drone:

Modelo: DJI Mavic 3

Preço: Entre R$ 19 mil e R$ 21 mil

Continua após a publicidade

Autonomia de voo: Até 46 minutos

Distância percorrida: Até 15 km

Altura máxima: Até 6 km (recomendação da ANAC: 120 metros)

Recursos:

Continua após a publicidade

Câmera com zoom digital potente para fotos e vídeos em alta definição

Tecnologia "piloto automático" (Return to Home): Retorna sozinho para o ponto de decolagem em caso de perda de sinal ou bateria fraca

Análise do Especialista:

Leonardo Cardoso, piloto profissional e instrutor de voo de drones:

A distância de voo depende de diversos fatores, como interferências no sinal de GPS.

O modelo utilizado é sofisticado e eficiente, mesmo para transportar peso extra.

A manobra de lançar a granada balançando o drone é arriscada e pode desestabilizar a aeronave.

A pessoa que controlou o drone é experiente e tem conhecimento técnico.

Continua após a publicidade

Consequências:

Ataque no Morro do Quitungo:

Granada lançada por drone fere cinco pessoas.

Drone cai na casa de uma moradora.

Monitoramento no Complexo do Israel:

Drone sobrevoa a favela, mas não há ataque.

Símbolo da facção Terceiro Comando Puro (TCP) é filmado.

Álvaro Malaquias Santa Rosa, conhecido como Peixão, é um dos traficantes mais procurados do Rio.

Durante a pandemia, ele expandiu seu controle na área e se autodenominou "o escolhido por Deus".

No fim de semana, ele proibiu a realização de missas em igrejas católicas.

Há anos, ele já havia proibido manifestações religiosas de matriz africana.

O uso de drones por facções criminosas nas favelas do Rio é um tema preocupante que demonstra a sofisticação das táticas utilizadas pelo crime organizado. As autoridades precisam tomar medidas para combater essa nova modalidade de ataque e proteger a população.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários