Sexta, 12 de Julho de 2024
21°

Tempo nublado

Rio de Janeiro, RJ

Polícia IA

Liderança na luta pela igualdade racial registra queixa após confusão por reconhecimento facial

Após ser abordada por policiais, Daiane registrou queixa na delegacia e expressou seu receio de ser confundida novamente.

08/07/2024 às 11h26 Atualizada em 08/07/2024 às 11h35
Por: Elise Ventura
Compartilhe:
Reprodução da internet
Reprodução da internet

Daiane de Souza Mello, servidora pública e ativista, foi confundida com uma foragida da justiça devido a erro no sistema de reconhecimento facial da Polícia Militar do Rio. Após ser abordada por policiais, Daiane registrou queixa na delegacia e expressou seu receio de ser confundida novamente.

Há uma década atuando na defesa dos direitos e ouvindo relatos de preconceito, Daiane vivenciou na pele a situação constrangedora durante um evento sobre igualdade racial. A jovem lamenta a falta de respostas sobre o destino de suas imagens capturadas e destaca a preocupação com a tecnologia que, segundo ela, reproduz o racismo estrutural presente na sociedade brasileira.

A Defensoria Pública do Estado exigiu explicações sobre o uso da tecnologia e alertou para os riscos de discriminação por meio de algoritmos e inteligência artificial. Enquanto isso, especialistas pedem por regulamentações mais rigorosas para evitar erros e abusos no emprego do reconhecimento facial por câmeras.

O caso de Daiane levanta questões sobre a eficácia e a segurança do sistema de videomonitoramento em tempo real, que resultou em prisões equivocadas devido a um banco de dados desatualizado. A ativista ressalta a importância de portar documentação, em especial para pessoas negras instruídas desde a infância a serem cautelosas e precavidas.

Continua após a publicidade

Diante das crescentes controvérsias em torno do reconhecimento facial, a sociedade civil e as autoridades envolvidas buscam respostas e garantias de que a tecnologia não será usada de forma discriminatória. Enquanto as investigações seguem na Delegacia de Crimes Raciais, a discussão sobre o uso responsável e ético da IA continua em pauta.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários