Sexta, 12 de Julho de 2024
22°

Neblina

Rio de Janeiro, RJ

Polícia Assassino

Delegacia de Homicídios investiga morte de vendedor Caio da Silva Rondão

Até o momento, Wesley não se apresentou à polícia para prestar esclarecimentos sobre o ocorrido. 

14/06/2024 às 10h31
Por: Elise Ventura
Compartilhe:
Reprodução da internet
Reprodução da internet

A Delegacia de Homicídios da Baixada Fluminense segue investigando a morte do vendedor Caio da Silva Rondão e tenta identificar outros envolvidos no crime. O suspeito preso foi identificado como possível comparsa e vivia na mesma vila que a vítima. Wesley da Silva Alves de Souza foi preso em flagrante por ocultação de cadáver na quinta-feira.

Desaparecido desde o carnaval, os restos mortais de Caio foram encontrados em um telhado de São João de Meriti. Segundo o delegado Renato Martins, a relação entre a vítima e o suspeito era próxima, chegando a ter tatuagens feitas em conjunto. Testemunhas relataram que Wesley tentou fugir com o corpo, mas acabou abandonando o saco no telhado de uma casa.

A perícia está aguardando o resultado do exame de DNA no corpo, enquanto os parentes afirmam não ter dúvidas de que se trata de Caio. A família acredita que o vendedor foi morto devido ao desaparecimento de R$ 7 mil. Wesley, considerado o principal suspeito pela polícia, ainda não se apresentou às autoridades.

O caso gerou estranhamento na família devido à falta de informações concretas sobre o paradeiro de Caio desde o carnaval. Mensagens de celular supostamente enviadas pelo vendedor pedindo para retirarem pertences de sua casa levantaram suspeitas sobre a veracidade das mensagens. A família relata que o dinheiro que Caio possuía desapareceu juntamente com ele.

Continua após a publicidade

Até o momento, Wesley não se apresentou à polícia para prestar esclarecimentos sobre o ocorrido. 

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários