Sábado, 22 de Junho de 2024
20°

Neblina

Rio de Janeiro, RJ

Polícia Crime

Mãe de suspeita de homicídio relata ameaças de suposta cigana

Carla Cathermol afirma que filha confessou ter cometido "besteira" obrigada por mulher que se apresenta como cigana.

05/06/2024 às 11h04
Por: Elise Ventura
Compartilhe:
Reprodução da internet
Reprodução da internet

Carla Cathermol, mãe de Júlia Andrade Pimenta Cathermol, presa suspeita de matar o namorado com um brigadeirão envenenado, revelou à polícia que a filha alegou ter sido coagida por Suyany Breschak, uma mulher que se identifica como cigana e também está detida.

Os depoimentos de Carla e Marino Bastos Leandro, padrasto de Júlia, foram disponibilizados após eles serem conduzidos à 25ª DP (Engenho Novo) por não comparecerem espontaneamente. Carla levou objetos pessoais para a filha, que passou a madrugada na delegacia e aguardava transferência para a prisão.

Durante uma visita à casa de Júlia, Carla e Marino notaram o estado abatido da filha, que alegava estar sendo ameaçada por Suyany Breschak. Júlia afirmou ter feito a "besteira" obrigada pela suposta cigana. A mãe decidiu levá-la para Maricá, onde reside.

Júlia nunca confessou explicitamente o crime, mas repetia que havia cometido uma "besteira". A mãe alega que a filha vinha sendo coagida por Suyany há bastante tempo.

Continua após a publicidade
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários